Sede do Museu aguarda decisão

| | |


Prédio do Servas, nos fundos do Palácio da Liberdade, é o local mais cotado.

A novela da sede do Museu do Clube da Esquina parecia que chegaria ao fim, depois de seis anos, mas será prorrogada pelo menos até o fim do ano. Depois de descartada a ocupação do Mercado de Santa Tereza e do antigo Cine Pathé, foi cogitada a instalação da Casa da Música de Minas Gerais no prédio do Servas, nos fundos do Palácio da Liberdade, integrando o Circuito Cultural Praça. Mas, depois de convocar a imprensa e representantes da música mineira ontem para fazer o anúncio, o Governo do Estado voltou atrás na última hora.

“Existe um esforço do governo Federal, Estadual e Municipal, mas a legislação eleitoral não permite que se faça doação de bens, valores ou serviços para organizações particulares”, justificou o secretário de Cultura, Washington Mello.

Certo é que a nova sede, seja ela onde for, já conta com R$ 10 milhões para equipamento e instalação, destinados pela bancada mineira na Câmara Federal, por meio de emendas ao Orçamento da União de 2010. Segundo Mello, o ministro Juca Ferreira, que vem hoje a BH para lançar a 3ª Feira Música Brasil e a estreia da Cia. Brasileira de Ópera, já teria sido acionado para “acelerar a liberação dos recursos”. O museu já existe nas versões virtual e itinerante desde 2004.

Fale na Esquina

Fale na Esquina

Deixe uma mensagem

Uma mensagem para Sede do Museu aguarda decisão

  1. A importância do Clube da Esquina para a renovação estética do cancioneiro popular brasileiro é inavaliável. Acho que toda e qualquer iniciativa que tenha por objetivo perpetuar a memória do grupo é inadiável, a fim de recompor os elementos perdidos ao longo desses muitos anos desde o surgimento do primeiro trabalho de repercussão (o disco que imortaliza o movimento) em inícios dos anos 70. Sob pena de acontecer o mesmo que vi na minha terra, o Ceará, com o Pessoal do Ceará, que, se não teve a visibilidade do Clube da Esquina, revelou importantes nomes, a exemplo de Raimundo Fagner e Ednardo, e, no entanto, tem poucos registros eloquentes do que fizeram na mesma época em Fortaleza.